Fachada do Skylux -Reprodução

Tegra Incorporadora lança agenda ESG para 2030

A Tegra Incorporadora anunciou uma série de metas ESG para 2030, reforçando seus compromissos socioambientais e de governança, de acordo com diretrizes internacionais. A agenda Cidades Regenerativas 2030, ligada aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU), conta com quatro pilares – gerar impacto positivo na sociedade, zerar o balanço líquido de emissões, promover negócios transparentes e impulsionar a economia circular.

“As metas para 2030 são um novo passo para a Tegra após conquistas importantes alcançadas pela empresa nos últimos anos. A companhia é certificada como Empreendedor Aqua desde 2021, que reconhece a alta eficiência ambiental de seus processos de desenvolvimento e execução. Além disso, já é muito avançada na gestão de resíduos sólidos, com reaproveitamento quase total dos descartes de obra, e compensa 100% dos gases de efeito estufa emitidos em seus canteiros desde 2019, incluindo os escopos 1, 2 e 3, que considera os fornecedores”, conta Angel Ibañez, diretor de suprimentos e ESG da Tegra Incorporadora.

Até 2030, a Tegra tem como meta impactar positivamente 2,4 milhões de pessoas por meio de práticas sociais, educação, cultura, capacitação, voluntariado e filantropia. Entre as medidas já adotadas, a empresa é signatária do ONU Mulheres e realiza ações para fomentar a presença feminina nos canteiros de obra, entre as quais se destaca um programa de capacitação, inclusão e empregabilidade de mulheres refugiadas, lançado em março de 2022, em parceria com o Senai e a ONG Aldeias Infantis SOS Brasil. A companhia ainda tem um programa de Gentilezas Urbanas, que investiu mais de R$ 2,7 milhões na adoção e na recuperação de espaços públicos em 2021. Além disso, ela promove gratuitamente atividades socioculturais na Casa Tegra, em São Paulo, um espaço dedicado a discussões e encontros sobre arquitetura, cidade e qualidade de vida.
Na gestão de emissões, a meta da Tegra é reduzir as suas próprias emissões e direcionar a adesão dos fornecedores à causa. A incorporadora projeta diminuir as emissões diretas em 50%, influenciar a redução das emissões indiretas em 15% e compensar 110% do residual. “Esse resultado será alcançado por meio de uma matriz energética totalmente renovável, da redução do consumo de energia e de água, da diminuição de emissões nas obras, nos escritórios e nos estandes, da política de compras e avaliação de fornecedores e da compensação do residual das emissões”, diz Ibañez. As obras da Tegra já adotam o concreto Spectra, desenvolvido em parceria com a Votorantim Cimentos e que garante 16% menos emissões de CO2 na fabricação.

Para promover negócios transparentes, a companhia estabeleceu como meta distribuir valor financeiro e social acima da média setorial, além de realizar investimentos para a transparência em seus processos, na garantia de privacidade de seus clientes e na sua transição digital. A Tegra conta com um rígido due diligence na contratação de fornecedores e tem políticas de compliance e anticorrupção bem estruturadas. Na divulgação de suas ações operacionais, a empresa exibe painéis socioambientais nos tapumes das obras, com informações de consumo de água e energia, materiais reciclados, empregos gerados e horas de treinamento em cada canteiro. Além disso, a incorporadora divulga um relatório anual de sustentabilidade organizado de acordo com o padrão GRI e auditado por uma consultoria internacional.
O quarto pilar da agenda 2030 – impulsionar a economia circular – terá investimentos de R$ 30 milhões nos próximos anos. A Tegra projeta dar mais espaço à inovação e aumentar em 15% o uso de materiais de fontes renováveis em suas obras, a partir de iniciativas em colaboração com startups, do apoio a práticas acadêmicas, além do desenvolvimento de projetos ligados ao reaproveitamento de recursos.

Em 2021, a incorporadora alcançou a marca de 97,19% de reciclagem de resíduos em seus canteiros. Esse resultado é resultado de medidas como a adoção de materiais reaproveitáveis no processo construtivo, a coleta seletiva na obra e a logística reversa de blocos de concreto e de gesso. “Um dos projetos de destaque ligados à economia circular é ecotapume de plástico 100% reciclável, com potencial de reutilização. As novas obras da Tegra contam com essa solução, que tem como objetivo reaproveitar o resíduo plástico das obras, gerar menos descartes e dar visibilidade à reciclagem para as comunidades no entorno”, explica Angel Ibañez.

Mais informações sobre as práticas ESG da Tegra incorporadora podem ser conferidas em detalhes no Relatório Anual de Sustentabilidade 2021, que está disponível no site da empresa.

Sobre a Tegra Incorporadora
Há mais de 40 anos no mercado, a Tegra Incorporadora é uma das maiores companhias do setor imobiliário brasileiro, com mais de 95 mil clientes e 103 mil imóveis desenvolvidos, que superam a marca de 25 milhões de metros quadrados construídos e em construção. A empresa atua em São Paulo, em Campinas e no Rio de Janeiro, e emprega mais de 1.000 colaboradores em seus negócios. Desde 2019, ela neutraliza 100% das suas emissões de carbono em obras e lançamentos e, em 2021, foi certificada como Empreendedor AQUA, selo que valida suas práticas de acordo com altos padrões socioambientais. A controladora do grupo é a Brookfield Asset Management, gestora global de ativos com US$ 690 bilhões sob gestão em mais de 30 países, nos setores de Investimentos Imobiliários, Infraestrutura, Energia Renovável, Private Equity e Crédito. No Brasil, a Brookfield soma R$ 156 bilhões de ativos sob gestão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *