Foyer MIS (Crédito: Anagelica Rodrigues)

‘Pixinguinha eterno, carinhoso mestre’ inaugura no MIS RJ

Na sexta (5), o MIS da Lapa abre a exposição “Pixinguinha eterno, carinhoso mestre”, com a presença da Secretária de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, Danielle Barros, a partir de 17h30.

O público carioca e fluminense terá a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre esse gênio da música brasileira chamado Alfredo da Rocha Vianna Filho, mais conhecido como Pixinguinha. A exposição será um convite para mergulhar no universo artístico e pessoal do excepcional compositor, instrumentista, maestro e arranjador, através de itens variados como fotografias, documentos pessoais como as certidões de nascimento e batismo, publicações biográficas, partituras, folders de eventos, além da porta interativa, que permitirá ao visitante ouvir o depoimento de Pixinguinha, seus sucessos,  e o Programa Frequência MIS, episódio dedicado ao músico que foi ao ar na Web Rádio MIS RJ.

Pixinguinha se apresenta no II Festival da Velha Guardamaio de 1955. (Foto: Reprodução)

A Exposição “Pixinguinha eterno, carinhoso mestre” terá também um evento externo com a inauguração da iluminação especial da arte em grafite do Pixinguinha, feita pelo artista Cazé. Um painel com 10 metros de altura na lateral do Museu da Imagem e do Som e que poderá ser visto também à noite com a nova iluminação, de diferentes pontos da Lapa.

“Pixinguinha está muito bem documentado em nosso acervo, com cerca de 3.500 itens relacionados ao mestre. Ele foi um dos primeiros artistas a participar da Série Depoimentos para a Posteridade, gravando a sua história no dia 6 de outubro de 1966, e que, hoje, passados 55 anos, permanece como documento inigualável que nos emociona pela sua simplicidade e genialidade”, afirmou o presidente do MIS, Cesar Miranda Ribeiro.

No Museu da Imagem e do Som, Pixinguinha não possui uma coleção própria, mas está presente em quase todas as coleções existentes na instituição, são mais de 800 partituras, inúmeras fotografias do artista sozinho, acompanhado de músicos e personalidades do rádio. No setor sonoro, um rico acervo com muitos discos lançados ao longo da carreira e intérpretes de sua obra magistral. Na biblioteca, exemplares de biografias de Pixinguinha. No setor institucional, o registro de seu depoimento e folhetos de eventos que rememoraram o centenário do artista. Além da gravação do Depoimento para a Posteridade concedido no ano de 1966, e que resultou em algumas publicações, dentre elas as “Vozes Desassombradas no Museu”, que conta com a transcrição do depoimento do artista, além de inúmeras pesquisas que surgiram a partir dessa fonte.

SERVIÇO

Exposição: “Pixinguinha eterno, carinhoso mestre”

Local: Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro

Endereço: Rua Visconde de Maranguape n° 15, Lapa

Data: De 5 de novembro a 30 de dezembro de 2021

Horário: De terça a sexta, das 11:00 às 17:00 h

Entrada Gratuita

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *