Imagem de Free-Photos por Pixabay

A gestação é um período em que os níveis de estresse da mulher se elevam naturalmente. Parte dessa tensão se estende ao longo das semanas seguintes ao parto, justamente quando a mãe precisa amamentar. Embora seja uma reação fisiológica útil em momentos de crise, a ansiedade pode se tornar excessiva nas atuais condições de confinamento. Por isso, cuidados redobrados com a saúde e a higiene em função da epidemia da COVID-19 são fundamentais.

A psicóloga perinatal, da maternidade Perinatal, Helena Aguiar, dá 10 dicas de como manter a boa saúde mental durante a gravidez e o aleitamento. "É importante que as mães entendam que o estado emocional delas tem repercussões diretas no vínculo com o bebê, que é essencial para uma boa amamentação e para a relação dos dois ao longo da vida", alerta Helena.    

Imagem de redgular por Pixabay

1 - Filtrar notícias sobre a pandemia

O excesso de informações é um dos principais fatores de ansiedade. Para aliviar este efeito, é preciso moderar o uso das redes sociais e ler ou assistir ao noticiário mais esporadicamente. Não se trata de desinformação ou alienação. Esta é apenas uma medida para evitar angústia e pânico.  

2 - Buscar atividades prazerosas

Ler livros e assistir a séries ou filmes pode ajudar a transportar para uma realidade mais leve, ainda que por um período breve de tempo. É importante buscar realmente se entregar à atividade.

3 - Usar as redes sociais a seu favor 

Conectar-se às pessoas que te fazem falta e evitar grupos de WhatsApp ou perfis no Instagram que causem mais preocupação. 

4 - Estabelecer uma rotina

Dividir o dia e se colocar algumas metas pode ajudar a preencher o dia de forma mais saudável, mas sem se cobrar demais. Faça o possível.

5 - Praticar exercícios físicos

Atividades físicas auxiliam na regulagem das emoções. Muitos profissionais de educação física fazem trabalhos online para orientar pessoas em quarentena.

6 - Respiração diafragmática

A respiração pode diminuir os níveis de ansiedade, sobretudo quando se utiliza a musculatura do diafragma.  

7 - Terapia 

Conversas semanais com profissional de psicologia podem ajudar a enfrentar esse momento com mais segurança e de forma mais saudável.

8 - Controlar expectativas 

É importante que as mães procurem se desprender da forma como imaginaram que seria a gravidez e a amamentação. Ficar muito apegada ao que não aconteceu ou ao que se gostaria que fosse pode dificultar a conexão com a realidade e o vínculo inicial com o bebê.

9 - Receber ajuda e carinho

Esta dica serve mais para os amigos e familiares das mães. Fazer-se presente, mesmo de longe; se oferecer para ir ao mercado, presentear, enviar flores e outras atitudes simples que sinalizem apoio ajudam a aliviar o estresse das fases iniciais da maternidade. Evitar mensagens que estimulem o pânico com a pandemia e se disponibilizar para conversas sem estimular cobranças sociais também são fundamentais. 

10 - Conectar-se com o parceiro ou parceira 

As duas partes do casal precisam se sentir à vontade para dividir angústias nesse momento de crise. Um terá que contar com o outro, pois a rede de apoio está muito restrita devido à epidemia. Um terá que estar atento a saúde mental do outro, pois o homem também pode sofrer alterações psíquicas. Na dúvida, recomenda-se ajuda profissional.