Luma Monteiro (Foto: Divulgação)

Os problemas na pele, em geral, afetam a qualidade de vida das pessoas. E o melasma não foge à regra. São 150 mil casos registrados no Brasil todos os anos. As manchas escuras, amarronzadas que surgem no rosto, na testa, bochecha, queixo e nariz aparecem em sua maioria em mulheres entre 25 e 50 anos. 

A nutricionista Luma Monteiro sofre com melasma desde o ano passado quando as manchas surgiram em suas bochechas e testa. Para auxiliar outras mulheres que passam pelo mesmo problema, ela desenvolveu um e-book gratuito que fala sobre como a alimentação pode ajudar no tratamento da doença. 

De acordo com a nutricionista, normalmente o meslasma aparece no região do rosto, mas o problema pode alcançar branços e ombros também. “Não existe um fator específico, mas o uso de anticoncepcionais, o desequilíbrio hormonal e principalmente a exposição solar estimulam o desenvolvimento da doença”, afirma.

O tratamento para melasma pode ser realizado de dentro para fora como o nutricionista trata. “Através da alimentação antiinflamatória, com uso de vitaminas antioxidantes e fitoterápicos que vão agir de dentro da célula, inibindo a pigmentação através dos melaninos”, explica Luma. O tratamento externo ocorre através do dermatologista ou esteticista. Luma salienta a importância do uso diário do protetor solar.

Para baixar o e-book, acesse o link

Novos tratamentos estéticos 

A micropigmentadora Danielle Furtado desenvolveu um protocolo especial para amenizar os efeitos do melasma utilizando o tratamento da Coréia do Sul que chegou ao Brasil para revolucionar o mercado da estética, Bb Glow.

Master na técnica coreana, Danielle explica que o tratamento ameniza o melasma. “Ele camufla levemente por possuir baixa carga pigmentária e alguns ativos clareadores. Os resultados são visíveis e satisfatórios, mas o melasma é uma doença complexa. O ideal é realizar o tratamento estético sempre em conjunto com um acompanhamento dermatológico.

Já na clínica Bem Bonita, localizada na Barra, a biomédia Michele Carvalho afirma que os melhores tratamentos estéticos para o melasma são os peelings químicos e microagulhamento associado à ativos clareadores como ácido tranexamico, ácido kójico, vitamina C, etc. Led azul (luz fria) associada à ativos fotoativados e clareadores também ajudam a tratar o melasma.

Como o melasma não tem cura clínica e é multifatorial, o tratamento é contínuo e inclui o uso de produtos em casa (home care) com efeito clareador. Alguns profissionais recomendam tratamentos a laser como o CO2 fracionado, mas, segundo Michele, não é aconselhável. Fontes de calor podem agravar a mancha.

Michele Carvalho (Foto: Divulgação)