COVID-19 na gravidez: saiba o que fazer para proteger o bebê

Segunda-feira 21 Setembro 2020 / Saúde e Bem Estar

Imagem de Pexels por Pixabay

Diversos estudos têm sido feitos, desde o início da pandemia, para demonstrar a transmissão de COVID-19 de mulheres grávidas contaminadas para seus bebês. A maioria destes relatórios aponta que grande parte dos recém-nascidos não está infectada pelo novo coronavírus.

Porém, um número reduzido de neonatos testou positivo para COVID-19, o que levou pesquisadores a examinarem se a transmissão vertical ocorre e, caso aconteça, se ela se desenvolve no útero antes do parto. É o que demonstra recente estudo publicado no Archives of Pathology & Laboratory Medicine, publicação mensal do College of American Pathologists (CAP).

A análise da placenta, maior dos órgãos fetais, tem sido importante para compreender os mecanismos de transmissão de outros vírus em mulheres grávidas para o feto, a exemplo do HIV, Ebola e Zika. Em especial no caso da COVID-19, estudos apontam que em casos raros a transmissão transplacentária do coronavírus acontece.

“A importância deste estudo reside no fato de que um número crescente de mulheres grávidas com COVID-19 está sendo relatado no mundo inteiro. Porém, a maioria dos bebês que nascem destas mulheres infectadas não são positivos para coronavírus. É importante determinarmos se existe realmente ou não a transmissão vertical e como isso pode acontecer. Existem várias maneiras de um vírus ser transmitido para um bebê durante a gravidez, de mãe para filho, verticalmente, por três mecanismos diferentes”, explica a Dra. Maria Cecília Erthal, ginecologista especializada em reprodução humana assistida, à frente do Vida – Centro de Fertilidade.

A especialista traz para o Deloox algumas considerações sobre o estudo. Veja a seguir.

Imagem de Juraj Varga por Pixabay

Mecanismos de transmissão vertical dos vírus da mãe para o bebê

 - Durante a gravidez (vida intrauterina), acontece por dois mecanismos principais:  pelo sangue que irriga a placenta – que vem da mãe e passa para o bebê – ou por via ascendente – por meio de bactérias, de germes da via vaginal, que podem ascender e atingir a cavidade amniótica e o bebê.

- No momento do parto - quando o bebê passa pelo canal do parto, que está infectado pelo vírus.

- No pós-parto – através da mãe infectada, com as suas secreções respiratórias, através do contato com a pele dela, e pelo leite materno.

Sobre a transmissão com coronavírus 

“A grande maioria destes bebês, que nasceram de mulheres grávidas infectadas com o coronavírus, não estavam infectados. Porém, os que apresentam testes ou sintomas, nas primeiras 24h-72h de vida, existe a suspeita de que esse bebê tenha sido contaminado durante a gestação ou durante o parto. É muito difícil se ter certeza se houve ou não a passagem do vírus pela placenta”, ressalta a especialista.

Houve a transmissão vertical. O que fazer?

- Orientar o manejo destas mães grávidas com COVID-19 no final da gestação.

- Os cuidados com o parto, o tipo de parto – será que vai ser necessário uma cesariana?

-  Os cuidados com o recém-nascido – se vai precisar fazer isolamento ou ir para uma UTI de cuidados intensivos.

“Tudo isso com a intenção de minimizar os riscos de infecção neonatal”, indica a Dra. Maria Cecília Erthal.

Sobre o estudo em análise

O que se sabe até hoje é que a melhor maneira de se confirmar a transmissão transplacentária é analisando as células da placenta – se consegue demonstrar a presença do antígeno viral ou RNA do vírus nessas células da placenta. Os testes para comprovar a presença do antígeno ou do RNA na placenta não são realizados na maioria dos laboratórios.

O que o estudo sugere é que, sempre que possível, nas mães que estão infectadas pelo COVID-19, que tem o coronavírus no momento do parto, que guardem a placenta para um estudo específico, na intenção de se avaliar se houve contaminação, se essas células apresentam antígeno viral ou não, para poder determinar e ter certeza, se existe ou não, transmissão ascendente e aí determinar os cuidados necessários ao tipo de parto e em relação ao bebê recém-nascido.

Imagem de Please Don't sell My Artwork AS IS por Pixabay

 

Leia: Menopausa precoce e infertilidade: até quando é possível engravidar? Especialistas tiram duvidas.

Por: REDAÇÃO DELOOX

Menopausa precoce e infertilidade: até quando é possível engravidar? Especialistas tiram dúvidas.

Quinta-feira 03 Setembro 2020 / Saúde e Bem Estar

Imagem de Elena ?λενα Kontogianni Κοντογι?ννη por Pixabay

As mulheres normalmente nascem com aproximadamente 1 a 2 milhões de óvulos, chegando à puberdade com apenas cerca de 300 a 500 mil. A cada ciclo menstrual são perdidos em torno de 1000 óvulos, mesmo que não se faça uso da pílula anticoncepcional. Na maioria dos casos, a diminuição e o envelhecimento da reserva ovariana começa afetar a capacidade de gestação natural a partir dos 35 anos.

E com mulheres ficando grávidas cada vez mais tarde, além do fator de dificuldade normal - com a perda natural dos óvulos ao longo dos anos - existe a menopausa precoce, que pode interferir na possibilidade de se ter um filho.

Para tirar diversas dúvidas sobre a relação entre menopausa precoce e infertilidade, conversamos com os ginecologistas especialistas em reprodução humana Maria Cecília Erthal e Paulo Gallo, também diretores-médicos do Vida - Centro de Fertilidade. 

Paulo Gallo e Maria Cecília Erthal - Vida Centro de Fertilidade

Quando algumas mulheres podem apresentar a menopausa precoce?

A menopausa precoce é causada pelo envelhecimento dos ovários antes do tempo considerado normal. O processo é prematuro quando ocorre em mulheres com menos de 40 anos.

Quais são os sintomas?

I. Menstruação irregular;

II. ausência de menstruação por 12 meses seguidos;

III. ondas de calor que começam de repente e sem causa aparente;

IV. suores noturnos intensos que podem interromper o sono;

V. cansaço frequente;

VI. alterações de humor como irritabilidade, ansiedade ou tristeza;

VII. dificuldade para dormir ou menor qualidade de sono;

VIII. secura vaginal;

IX. queda de cabelos;

X. diminuição da libido.

É possível engravidar na menopausa?

Quando a mulher entra na menopausa, não é possível engravidar naturalmente, porém, durante o chamado climatério, ainda é possível que a gestação ocorra de forma natural. Podemos classificar como menopausa quando a mulher passa 12 meses sem menstruar. Geralmente o processo ocorre quando chegam entre os 48 e 51 anos de idade, marcando o fim do período reprodutivo. 

Qual tratamento é indicado para quem já entrou na menopausa ou possui uma reserva ovariana muito baixa?

Existe a opção de fazer um tratamento de fertilização in vitro com óvulos doados. As mulheres estão deixando para engravidar mais tarde, muitas vezes já com sua reserva de óvulos comprometida não só em número, mas também em sua qualidade. Para tanto, a fertilização com óvulos doados é uma opção com excelentes chances de gravidez.

O congelamento de óvulos também pode ser uma boa opção para as mulheres que pretendem ter filhos com mais idade?

Sim. O ideal é que o congelamento seja feito até os 35 anos pois, a partir dessa idade, existe uma diminuição expressiva da qualidade dos óvulos, o que pode comprometer o resultado final.

Por quanto tempo os óvulos podem ficar armazenados?

Os óvulos são tratados para que possam ser congelados e podem ficar armazenados por tempo indeterminado. Ao decidir engravidar, a mulher pode solicitar o descongelamento dos óvulos que irão passar pelo processo de Fertilização In Vitro (FIV), ou seja, serão fertilizados em laboratório e, quando for confirmada a formação dos embriões, estes poderão ser depositados no útero da paciente.

Quais os perfis das mulheres que optam pela técnica? 

1) Mulheres solteiras com pouco menos de 35 anos preocupadas com a diminuição progressiva de sua fertilidade. Esse é um dos principais motivos que levam as mulheres a procurar o congelamento de óvulos.

2) Mulheres com histórico familiar de menopausa precoce. Essa é uma indicação muito importante, principalmente para as que não pretendem engravidar antes dos trinta anos.

3) Mulheres que serão submetidas a tratamentos oncológicos. A incidência de câncer em pessoas jovens tem aumentado e, ao mesmo tempo, as terapias oncológicas têm evoluído cada vez mais. O que se observa é uma taxa de sobrevida cada vez maior. A preservação da fertilidade se tornou um procedimento muito importante nessas situações. É de extrema importância que os oncologistas ofereçam esse tratamento para os pacientes com câncer, que vão se submeter à radio e ou quimioterapia, inclusive porque a perspectiva de constituir a prole reforça para essas pessoas a esperança da cura.

Vale ressaltar que, caso a mulher desista de guardar os óvulos congelados, estes devem ser descartados ou doados de forma anônima. A doação de gametas (óvulos e espermatozoides), por determinação do Conselho Federal de Medicina, tem que ser sempre anônima.

Por: REDAÇÃO DELOOX

Banheiro SPA: Arquitetos ensinam como projetar um ambiente de relaxamento em casa

Terça-feira 18 Agosto 2020 / Saúde e Bem Estar

Coluna de hidromassagem Essential 2.0 com dimensões de 0,40 x 1,285* e Evolution, com dimensões de 0,226 x 1,290* (* largura x altura). Roca

Você já pensou em replanejar algum ambiente da sua casa e decorar com itens que te ofereçam ótimos momentos de relaxamento? Super em alta neste período de pandemia, já que estar no próprio lar é a melhor forma de proteger a saúde e se cuidar, o banheiro SPA vai fazer muita gente apostar em banhos ainda mais confortáveis.

Seja pequeno, médio ou grande, os profissionais de arquitetura Bruno Moraes, à frente do escritório com o seu nome, Pati Cillo, do Pati Cillo Arquitetura, e Cristiane Schiavoni, que comanda seu escritório, mostram como os banheiros podem ir além do trivial.

No projeto da reforma ou de construção de um novinho, é preciso ter em mente o desejo real dos moradores. Por exemplo: precisa ser uma banheira dupla ou para apenas uma pessoa? Qual o tipo de chuveiro? Incluir um espaço duplo na bancada – perfeito para a vida do casal –, é de fato relevante para a vida dos dois? “Para planejar o espaço, devemos pensar esses itens de forma integral, bem como considerar a circulação”, destaca a arquiteta Cristiane Schiavoni.

Ao analisar todos os pormenores, é hora de estudar o layout. Para isso, o profissional de arquitetura deve iniciar o entendimento sobre a dinâmica do uso do ambiente, que é muito particular para cada pessoa. Em cômodos com banheira de hidromassagem, há quem prefira usar primeiro a ducha e depois partir para a imersão. “Nesse caso, podemos criar um acesso direto do box da ducha para a banheira, sem a necessidade de circular pelo espaço do banheiro”, explica o arquiteto Bruno Moraes. Quando o cliente expressa a preferência pela ducha dentro da própria banheira, o arquiteto aconselha a colocação de uma versão de teto centralizada no eixo da banheira, provendo assim um banho mais confortável.

Na área interna do box, a arquiteta Cristiane Schiavoni incluiu a banheiro de hidromassagem e as duas duchas utilizadas pelo casal | Foto: Carlos Piratininga 

Uma ressalva importante trazida por Cristiane e Bruno Moraes: um banheiro SPA não implica na prerrogativa de se ter uma banheira. A depender da área do cômodo ou mesmo da predileção, as colunas de hidromassagem promovem a função de relaxamento, duplicando o espaço do box, oferecendo descanso ilimitado, praticidade e alta tecnologia. Os usuários podem regular a intensidade e a temperatura dos jatos de acordo com o gosto pessoal.

Revestimentos para o SPA

Avançando por mais um capítulo, para cunhar o conceito de banheiro SPA o projeto precisa investir em materiais de qualidade como louças, metais revestimentos e a iluminação propícia para uma atmosfera relaxante e acolhedora. “Gosto muito da tecnologia que provê aos porcelanatos a possibilidade de remeter à madeira, couro e outros elementos que trazem a sensação acolhedora sem usar o próprio material. Dessa forma, concebemos um ambiente muito seguro para a utilização da água e produtos químicos”, diz Cristiane Schiavoni.

Na mesma preocupação com a resistência para essas áreas molhadas, o arquiteto Bruno Moraes se diz fã de revestimentos cerâmicos, como os hexagonais, e as pastilhas de porcelanas, que produzem um efeito muito charmoso aos projetos. Ele aproveita para destacar a ressalva na especificação de madeiras, haja vista nem todas são duráveis para ambientes expostos à umidade frequente. “Quando opto pelo material, a Cumaru é minha favorita. Dependendo da proposta do ambiente, não conseguimos fugir da madeira, pois seu estilo rústico é inconfundível”, compartilha.

Na área do ofurô, o arquiteto Bruno Moraes escolheu o tom acinzentado para o revestimento cerâmico hexagonal | Foto: Luis Gomes 

Tanto Bruno, quanto Cristiane e Pati Cillo já apontaram seus olhares para o amadeirado e outros componentes que evocam o bem-estar. “O branco sempre será a cor mais usada num banheiro... aquela escolha que não tem erro e com mais chance de agradar a todos. Mas hoje em dia vale equilibrar o branco com o emprego de outras tonalidades e materiais, como a madeira”, relata a arquiteta Pati Cillo. 

Iluminação

De que adianta cuidar de todos os detalhes e não priorizar a iluminação? “Sempre digo para os clientes que a iluminação contribui com eficácia para esses ares de calma que eles anseiam”, ressalta a arquiteta Pati Cillo. Assim, o projeto luminotécnico deve prover uma iluminação geral, uma luz mais leve para o espaço do banho e outra uma mais focada para os cuidados de skincare, maquiagem e fazer a barba.

Na suíte master assinada por Cristiane Schiavoni, lâmpadas de cromoterapia presente no forro compõem a iluminação indireta ideal para o momento do SPA. Os pendentes deixam o ambiente ainda mais convidativo e relaxante | Foto: Carlos Piratininga

Novidades no mercado

Junto com boas ideias apresentadas pelos arquitetos, produtos desenvolvidos pelo mercado contribuem na missão de deixar o banheiro de casa muito perto – ou até melhor – que os ambientes de hotéis e clínicas.

Já pensou no desconforto de sair do banho e pisar no piso frio? Cristiane Schiavoni explica que o piso aquecido é a solução. “Super fácil de aplicar, o morador consegue controlar a temperatura de piso e sensação de bem quentinho”, afirma. Outro item que a profissional não abre mão é o toalheiro aquecido, que exerce a função de secar as toalhas usadas na vez anterior e deixá-las aquecidas para o uso. “Aposte sempre nos pequenos detalhes que completam o prazer pós-banho”, recomenda.

Com o mesmo pensamento de comodidade após o banho, o mercado conta com modelos de box produzidos com ventosa de silicone na lateral, que não deixam o vapor de dentro vazar. Para tanto, são instalados do piso ao teto, transformando o espaço em uma verdadeira sauna. “Segundo os especialistas em pele, o vapor colabora para a abertura dos poros, sendo perfeito para esfoliações, hidratação do cabelo e outros procedimentos estéticos”, enumera Bruno.

Outra sugestão diz respeito aos espelhos antiembaçantes, que são modelos funcionais ligados na tomada. “Todos sabemos como é chato querer se arrumar depois do banho e ter o espelho tradicional todo embaçado. Por isso, é importante prevermos desembaçadores que são instalados por trás do espelho, deixando sua imagem certinha e sem precisar passar a mão”, recomenda Cristiane.

Além dessa funcionalidade, os espelhos podem trazer iluminação frontal, estilo camarim, para não gerar sombra e auxiliar na hora da maquiagem. “Quando a iluminação vem apenas pelo teto, as sombras no rosto são inevitáveis”, detalha a arquiteta. Outro detalhe valioso está na atenção em adquirir uma lâmpada com índice de reprodução de cor maior que 80%, que reproduzirá fielmente as cores da maquiagem.

Coluna de hidromassagem Essential 2.0 com dimensões de 0,40 x 1,285* e Evolution, com dimensões de 0,226 x 1,290* (* largura x altura) - Roca

Colunas de hidromassagem

A Roca, referência em tecnologia, inovação e líder mundial em soluções para o banho apresenta duas sugestões: o Essential 2.0 assegura o controle com precisão da temperatura e vazão da água, além de contar com quatro saídas, incluindo chuveiro de mão. Já Evolution propõe mais um passo ao oferecer com cinco saídas, aumentando a intensidade do fluxo da água na hora do banho. Ambos são fabricados em aço inoxidável e misturador termostático. 

Banheiras freestanding

Caso a opção seja por uma banheira de imersão – sem a ativação da hidromassagem, a Roca dispõe de sugestões produzidas em acrílico. A vantagem é que não precisam de acabamento em alvenaria, tornando a instalação ainda mais fácil e prática. Outro ponto interessante é que o modelo de imersão demanda apenas uma saída de água e uma tubulação para o esgoto.

Por: REDAÇÃO DELOOX

Helen Pomposelli: 9 dicas para se aventurar no próprio lar

Quarta-feira 15 Julho 2020 / Saúde e Bem Estar

Imagem de Free-Photos por Pixabay

Estar em casa se tornou um hábito necessário e até mesmo solidário nos últimos meses, mas, com o tempo, tudo o que faz parte da rotina fica entendiante. E aí você se pergunta: como fugir dessa desmotivação que toma conta da mente e do corpo?

Para te ajudar a começar os dias de forma mais leve e dar um toque fresh à sua vida, conversamos com Helen Pomposelli, fundadora do selo Per Vivere Bem. Ela contou pra gente o que podemos fazer para tornar as nossas atividades diárias mais prazerosas.

Foto: Helen Pomposelli (Divulgação)

9 dicas para se aventurar no próprio lar

Por Helen Pomposelli

1. Ao acordar, não saia logo da cama. Procure despertar o seu coração, escutando e conversando consigo através de uma meditação. Que tal lembrar dos seus sonhos e planejar o seu dia de maneira vagarosa? Eu medito todos os dias quando acordo e tiro minhas cartas do Guardião do Fogo Sagrado.

2. Tenha um caderno de agradecimentos na cabeceira. Antes de levantar da cama, escreva em seu caderno qual o seu agradecimento do dia. Lembre-se que agradecer é abrir o portal da abundância na sua vida.

3. Finalmente, acorde para o dia e se presenteie um café da manhã físico e espiritual. Recomendo incluir frutas e torradas em uma mesa bonita.

4. Evite por alguns minutos pegar o celular e ler mensagens.  

5. Comece a manhã com uma boa música ou simplesmente em silêncio. Recomendo a playlist "Per Vivere Bene - autoconhecimento, bem-estar e propósito". Você pode acessá-la através deste link no Spotify

6. Acorde a sua alma de maneira generosa para receber o dia. Se você mora com pessoas, procure sorrir e falar palavras positivas.

7. Respire! Faça a sua lista de tarefas. Siga o que você escreveu e escolha um “evento” que possa fazer com que a sua mente divague (ler, escutar música, dançar e brincar). 

8. Cozinhe algo gostoso. Pegue receitas de um livro ou através da internet e prepare como se fosse um presente. No momento, estou fazendo guacamole, pasta de amendoim e pasta de grão de bico. 

9. Escolha uma ou mais pessoas para fazer o bem. Se você cozinhou algo gostoso, compartilhe com seu vizinho. Com certeza ele pode estar precisando de um gesto de carinho. Expandir seu coração é receber em dobro. 

Gostou das dicas? Então, aproveite para começar o dia seguinte de forma mais leve e positiva. Tudo isso depende de você!

 

Por: REDAÇÃO DELOOX

Treino no frio: veja exercícios que podem fortalecer o seu corpo

Quinta-feira 21 Maio 2020 / Saúde e Bem Estar

Foto: Pixabay

A queda da temperatura no outono é uma desculpa dada pelas pessoas para deixarem de lado as atividades físicas nessa época do ano. Entretanto, no período em que o isolamento social já reduz o movimento do corpo, é fundamental que todos sejam incentivados a permanecer ativos. Exercícios físicos são fundamentais para auxiliar na imunidade e manter a saúde em dia.

Pensando no bem estar da população, a rede SELFIT lançou a campanha “Em Casa do Seu Jeito”, durante a pandemia da COVID-19, e vem oferecendo diariamente aulas em seus canais nas redes sociais, em seus apps e no site, com dicas de exercícios fáceis de serem realizados em casa, sem a necessidade de contato físico ou uso de equipamentos.

Nesta semana, o time da rede preparou dicas para quem nunca treinou, mas está animado para começar a se mexer durante a quarentena. O treino, com quatro atividades, não levará mais do que 30 minutos e promete fazer com que as pessoas se sintam revigoradas.

O primeiro exercício serve para fortalecer as panturrilhas e é muito simples, apenas com a elevação da ponta dos pés. “Apoie as duas mãos na parede, dê um passo para trás, esticando as pernas, e faça a flexão e extensão do tornozelo, movimentando o calcanhar para cima, ficando na ponta dos pés e voltando ao normal. Faça três séries entre 15 a 20 repetições”, explica o instrutor da SELFIT, Carlos Eduardo da Silva.

Foto: Pixabay

Em seguida, é a vez de trabalhar a parte de cima das pernas, além de um pouco de coordenação motora. A atividade irá trabalhar a parte posterior da coxa e os glúteos. Aqui, o instrutor pede que o aluno fique de pé, com os pés unidos, braços abertos como o Cristo Redentor e a coluna reta. “Você fará movimentos com o tronco para frente e ao mesmo tempo levantará uma das pernas para trás, quase como um avião. Lembre-se de flexionar bem o joelho da perna que ficará apoiada no chão. Faça três séries com cada perna de 10 a 12 movimentos”, ensina.

Na terceira etapa, um pouco de exercício aeróbio com uma corrida estacionária. O aluno irá simular os movimentos de uma corrida, porém sem sair do lugar. É uma atividade ótima para quem quer perder peso. A recomendação é que sejam feitas três séries de um minuto cada.

Finalize o treino com o abdominal. Exercício que fortalece a musculatura da lombar e do abdômen. Comece com três séries de 15 movimentos. Conforme o tempo, é possível aumentar a série e a quantidade de vezes que fará a movimentação.

“O abdominal todos conhecem. Mas, para não ficar dúvida, deite-se com a barriga para cima, estique as pernas para o alto, apontando o calcanhar para cima. Faça um pêndulo com as pernas de forma sutil, sem tirar a lombar do chão. Conforme for ganhando resistência, aumente o balanceamento do pêndulo, respeitando a estabilidade da coluna”, completa Carlos Eduardo.

As ferramentas digitais da rede são gratuitas e podem ser utilizadas por toda a população, não apenas por alunos. A marca conta ainda com outros dois aplicativos exclusivos para alunos da rede, um para orientação nutricional (App Self Sem Culpa) e outro para treinos, o App SELFIT.  

Foto: Pixabay

Leia: Empresa lança site em parceria com a Smartfit com dicas de treinos

Por: REDAÇÃO DELOOX