Nesse projeto, Carina e Ieda Korman apresentam o design brasileiro como destaque. As mesinhas de apoio Jardim, de Jader Almeida, são dissimétricas e atendem à dupla de poltronas do mesmo designer. (Foto: Gui Morelli)

Para projetar um bom living, algumas peças são indispensáveis, garantindo praticidade para o cotidiano. As mesinhas de apoio ou laterais, sem dúvida, são uma dessas. “Multifuncionais e extremamente versáteis, as mesinhas são peças curinga na decoração, ajudando a otimizar o espaço”, opina Carina Korman, do escritório Korman Arquitetos. Carina, ao lado de sua sócia Ieda Korman, separou algumas dicas para ajudar na hora de escolher a mesinha lateral ou de apoio ideal para cada projeto.

Segundo as profissionais do Korman Arquitetos, as mesinhas são peças práticas, pois permitem o uso livre e em diferentes ambientes. “Elas podem ocupar um cantinho da casa e facilmente serem movidas para outro espaço, caso haja necessidade”, aponta Ieda. Essa peça também agrega muitas funções – pode servir de apoio para os convidados, por exemplo, ou ser usada como uma forma de expor objetos e itens decorativos. Seu lugar mais comum é ao lado do sofá, servindo de suporte. “Quando posicionada próximo de uma bela poltrona, pode apoiar uma luminária, compondo um cantinho de leitura”, opina Carina. É possível ainda optar por jogos de mesas laterais que se sobrepõem, de um mesmo modelo ou variado, combinando diferentes alturas e criando mais superfície de apoio.

Apesar de permitir diferentes composições, Carina e Ieda Korman ressaltam algumas regras. “Para coordenar mesas laterais com sofás e poltronas, é importante levar em conta sua altura”, explicam. Segundo as profissionais, uma mesa lateral não deve ser baixa como uma mesa de centro, mas também não pode ser muito alta. “Idealmente, sua altura deve ser compatível com a do braço do sofá, permitindo fácil alcance para quem estiver sentado”, indicam.

Em seus projetos, Carina e Ieda Korman adoram utilizar mesas laterais e de apoio. Seja ao lado do sofá, para suportar a luminária ou atender a quem está sentado, seja em conjunto com a mesa de centro, apoiando objetos decorativos. (Foto: JP Image)

Muito semelhantes às mesas laterais, as mesinhas de apoio se diferenciam apenas por sua função – como o nome indica, elas são peças que ficam soltas no ambiente, podendo se adaptar facilmente às necessidades do momento. “Nesse caso, a regra é nunca atravancar a circulação, deixando ao menos 60 cm livres ao redor da mesinha”, indica Ieda Korman.

As arquitetas também apontam que a escolha acertada de acabamento é essencial para uma boa mesa lateral ou de apoio. “Elas devem traduzir a essência do ambiente, mas também precisam estar de acordo com sua função”, pontua Carina. Assim, mesas que receberão copos ou vasos devem ser de materiais resistentes, como o vidro e laminado. Mesinhas com estrutura de metal são elegantes e contribuem para um visual minimalista, quando com um design de traços simples. A madeira traz aconchego e rusticidade, ao passo que o mármore é ideal para projetos clássicos e muito sofisticados.

“Muito versáteis, as mesas laterais e de apoio são ótimas para servirem como base para luminárias, telefones e adornos, podendo ter uso estendido até a varanda. No quarto, podem facilmente substituir a mesinha de cabeceira”, indicam. Uma ótima forma de unir funcionalidade com design, complementando a decoração do lar.

As mesinhas laterais e de apoio podem receber diversos acabamentos e materiais. Para um projeto mais elegante, Carina e Ieda Korman optaram pela união do preto com dourado. Em outro, o branco veio para trazer claridade, combinando com os objetos decorativos. A madeira, por sua vez, foi a escolha das profissionais para um projeto com muita brasilidade. (Foto: Gui Morelli)

 

Leia: Gallery wall - guia para montar em casa e sem erro