Marina da Glória recebe o Queremos! Festival 2019

Quarta-feira 12 Junho 2019 / Comportamento

Gal Costa é uma das atrações do festival Queremos!

A Marina da Glória será palco do Queremos! Festival 2019, neste sábado (15), com 12 atrações musicais que vão tocar alternadamente em dois palcos. O espaço terá instalações de convivência ao ar livre, hits da gastronomia carioca e 14 horas de música.

Apaixonados por música vão poder curtir o som de artistas nacionais que trazem efervescência e fusão de gêneros à MPB. São eles: Baco Exu do Blues, Carne Doce, Criolo, Duda Beat, Forró Red Light, Gal Costa, Jade Baraldo e Luedji Luna. As atrações internacionais escolhidas são a canadense Allie X, do conjunto instrumental americano Hypnotic Brass Ensemble, e o duo italiano Nu Guinea Live.

A Orquestra Petrobras Sinfônica fica responsável pela abertura do Queremos! Festival com o projeto inédito “Petrobras Sinfônica apresenta Bohemian Rhapsody”, que traz o repertório do filme biográfico do Queen. Os portões abrem às 13h30 e os ingressos estão à venda a partir de R$ 130 (segundo lote).

Orquestra Petrobras Sinfônica apresenta músicas do Queen

Por: REDAÇÃO DELOOX

Adam Levine e sua mulher colocam mansão na Califórnia à venda por US$ 47,5 milhões

Quinta-feira 06 Junho 2019 / Comportamento

Foto: Westside Estate Agency

O frontman do Maroon 5, Adam Levine, colocou sua casa em Beverly Hills, na Califórnia, à venda por US$47,5 milhões.

De acordo com o portal Mansion Global, o cantor desembolsou US$ 33,9 milhões para comprar a mansão em março de 2018, mas investiu, ao lado de sua esposa Behati Prinsloo, US$ 8 milhões em reforma. As informações são do corretor de imóveis Kurt Rappaport da Westside Estate Agency.

"É a mistura perfeita do antigo glamour de Hollywood e das comodidades modernas de última geração", disse Kurt. A casa foi construída em 1933, tem 963 metros quadrados, cinco quartos e 12 banheiros. A mansão também possui sala de projeção de filmes, academia e pousada. 

A residência fica em um terreno de 4 mil metros quadrados, cercado por uma piscina, uma quadra de tênis e cozinha ao ar livre.

Rappaport revelou que o casal colocou a casa à venda para que possam morar mais perto da escola de seus filhos Dusty Rose, de 2 anos, e Gio Grace, de 1 ano. 

Sala de projeção de filmes (Foto: Westside Estate Agency))

Sala de encontros (Foto: Westside Estate Agency)

A residência fica em um terreno de 4 mil metros quadrados (Foto: Westside Estate Agency)

Cozinha ao ar livre com forno de pizza (Foto: Westside Estate Agency)

Por: REDAÇÃO DELOOX

Câmara de Comércio França-Brasil promove Semana Francesa 2019

Terça-feira 04 Junho 2019 / Comportamento

Evento promove atrações ligadas à França nas áreas de cultura,  gastronomia, serviços e workshops. (Foto: Hotel Santa Teresa Rio MGallery Collection)

A Câmara de Comércio França-Brasil iniciou as atividades da Semana Francesa 2019, que segue até dia 14, com programação nas cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo. Na capital fluminense, a instituição e seus parceiros – como o Consulado da França no Rio, Instituto Francês, a Aliança Francesa e o Centro Nacional de Pesquisa Científica da França (CNRS) – oferecem 17 atrações ligadas à França, em diferentes áreas: cultura, gastronomia, serviços, eventos e workshops.

A proposta é levar ao público participante um pouco da experiência do savoir-faire francês. Entre as ações gastronômicas, os restaurantes Laguiole Lab e Térèze, do Hotel Santa Teresa Rio Mgallery Collection, estão com menus especiais para o evento. O Marchezinho Bistrô também conta com um cardápio especial no almoço, formado por três opções de menu, que variam de acordo com o dia, a R$ 49 cada, incluindo taça de vinho branco ou refrigerante da casa. O Cajá Café, do Sofitel Ipanema, oferece opção de croissant acompanhado de café a R$ 15 + taxas.

Evento levará ao público experiência do savoir-faire francês. (Foto: Restaurante Laguiole)

Na programação cultural, os destaques são o Festival Varilux de Cinema Francês, que mais uma vez integra a Semana Francesa, com a exibição de filmes franceses inéditos no Brasil, e os espetáculos "Laurent Decol: Les Mots du Silence", na Aliança Francesa de Botafogo, "Formidable - A voz de Paris e o melhor da Canção Francesa", no Teatro Maison de France, e "Recherche" do autor, ator e diretor francês Yves Noel Genod, promovido pelo Instituto Francês do Brasil. Neste ano, o Centro Nacional de Pesquisa Científica da França (CNRS) também se junta à iniciativa com atrações no Museu do Amanhã. A conferência-concerto "Swing the Brain" e o Atelier de animação para crianças estão programados para o dia 7 de junho, e estão entre as atrações que marcam os 80 anos da instituição.

Workshops e Palestras

Para completar a lista de atividades, a CCI França-Brasil e seus parceiros promovem palestras e workshops sobre temas como mercado de luxo, profissional do futuro e os impactos da tecnologia na transformação dos negócios e da sociedade. O destaque é a conferência .Futuro | Rio, na quarta (5) e quinta (6), sobre a temática Humanidade Aumentada. 

A programação completa está disponível neste link

Por: REDAÇÃO DELOOX

Casa do Saber Rio debate obra e trajetória de Salvador Dalí

Terça-feira 04 Junho 2019 / Comportamento

Salvador Dalí. (Foto: Divulgação)

Trinta anos após sua morte, o pintor catalão Salvador Dalí (1904-1989) terá sua trajetória revisitada na Casa do Saber Rio. Nos dias 6 e 13 de junho, o professor Franz Manata, ex-curador do MAM-Rio e mestre em Linguagens Visuais pela EBA/UFRJ, explica o legado de Dalí e sua influência nas artes. Um dos maiores expoentes do movimento surrealista, ele chama atenção pela complexa combinação de imagens bizarras e oníricas com uma impactante qualidade plástica e a sofisticação de sua obra.

Desde cedo, Dalí foi incentivado a exercer sua vocação para a arte, tendo estudado em uma academia em Madri. Na década de 20, foi para Paris, onde conheceu Pablo Picasso, René Magritte e Joan Miró, o que o levou à sua primeira fase no Surrealismo. Um de seus quadros mais emblemáticos, "A Persistência da Memória" (1931), que mostra relógios derretendo em uma paisagem, é apontado como a porta de entrada para a sua fama.

Salvador Dalí. (Foto: Salvador Dalí Foundation)

Entre seus momentos mais excêntricos, destaca-se sua expulsão do movimento surrealista em razão de suas opiniões controversas, o que não o impediu de pintar e expor em galerias e museus pelo mundo. Nesses dois encontros, 30 anos após a sua morte, a Casa do Saber Rio revisita a trajetória do artista que revolucionou e influenciou as artes plásticas.

As inscrições podem ser feitas através do site da instituição.

Por: REDAÇÃO DELOOX

Ópera performática 'Migrações' estreia no Parque Lage

Segunda-feira 03 Junho 2019 / Comportamento

Foto: Renato Mangolin

No sábado (8), às 20h, o salão nobre da Escola de Artes Visuais do Parque Lage vai retomar sua vocação original como palco da ópera performática “Migrações”. Com direção da premiada Duda Maia, libreto do poeta Geraldo Carneiro, música de Beto Villares e Armando Lôbo, o espetáculo traz no elenco a soprano Gabriela Geluda e a atriz Gabriela Luz. Os deslocamentos de milhões de pessoas em diferentes épocas, da mítica Tróia aos refugiados da Síria hoje, são o fio condutor da narrativa em cena. Com apoio cultural da Oi e Oi Futuro, o espetáculo é uma realização de Gabriela Geluda.

Idealizador do espetáculo, Geraldo Carneiro se encantou com a experiência de fazer o libreto de “Na boca do cão” (um projeto pessoal de Gabriela Geluda) e, desta vez, o convite e o tema partiram dele. “Os fluxos migratórios sempre existiram. Esses movimentos são motivo de fascínio e terror, desde a Guerra de Tróia à diáspora africana. Queria falar da necessidade de transformar a migração numa preocupação permanente, mas de forma poético-alegórica. Não queria uma obra naturalista. É preciso abrir as fronteiras do conhecimento, do afeto, compreender que existe o outro e que ele precisa ser compreendido na sua diferença. As migrações são permanentes, mas as fronteiras são sempre provisórias.”

“Migrações” mistura música, dança e teatro num formato bem diferente das óperas tradicionais, buscando o conceito da ópera performática, onde a cena passa ser uma experiência para o espectador, sem a obviedade de uma história com começo, meio e fim. Mas trazendo imagens e sonoridades que conduzam o público a uma dramaturgia particular. Com quase 30 anos de experiência como soprano solo das óperas de Jocy de Oliveira, Gabriela Geluda acredita na importância de levar a ópera a um público mais diverso, ampliando os limites dentro do gênero.

Foto: Renato Mangolin

“Minha família é de origem judaica, meus avós são judeus e vieram para o Brasil fugindo da Segunda Guerra. Tenho três avós poloneses e uma alemã. Migrar para sobreviver é algo bastante forte na minha família”, conta Gabriela Geluda que, além de estar em cena, assina a realização do projeto. 

Composta pelo produtor musical e compositor paulista Beto Villares, com composições e arranjos do artista pernambucano Armando Lôbo, a música inédita permeia o espetáculo no limiar entre uma ópera e um espetáculo com uma trilha. Com experiência em criar para o cinema (como “Xingu”, “Bingo, o rei das manhãs” e “Filhos do Carnaval”), Beto viu no convite feito por Geraldo um desafio profissional. “É um universo totalmente diferente de tudo que eu já vivi. É a primeira vez que eu componho para uma cantora lírica, e a troca com a Gabriela durante o processo de criação foi muito importante”, conta. “A emoção que eu queria passar é de uma beleza com desamparo, tristeza e seriedade.” O trio formado por Cesar Bonan (clarinete e clarone), Daniel Silva (cello) e Rodrigo Foti (vibrafone).

Os poemas do libreto abordam questões brasileiras e mundiais sobre os processos migratórios. As cenas são conduzidas pela soprano e atriz Gabriela Geluda e a bailarina e atriz Gabriela Luiz, que carrega em seu corpo experiência com danças populares e urbanas e capoeira. Elas se multiplicam criando diferentes corpos e vozes. Entre as obras que serviram de inspiração na construção do espetáculo, a diretora Duda Maia destaca documentários com cenas fortes sobre o tema: “Human flow”, do artista e ativista chinês Ai Weiwei; e “Os capacetes brancos”, do britânico Orlando von Einsiedel.

Por: REDAÇÃO DELOOX