Por Adriana Ninsk

Podemos dizer que a “Música” é a arte de combinar os sons e o silêncio. Pensando nisso, a artista plástica Adriana Ninsk, que também é considerada uma das melhores blueswoman do Brasil, mergulhou na pesquisa histórica desde os primeiros registros de manifestações desta arte em tribos primitivas na África, passando pela Idade Média e chegando aos dias atuais.

A artista levou para as telas da exposição "Classicus", na Sala de Cultura Leila Diniz, instrumentos e personalidades que influenciaram sua trajetória como cantora e compositora. Ninsk também faz uma homenagem a músicos da cidade de Niterói que já dividiram o palco com ela, utilizando técnica mista e material reciclado. "Uma das preocupações da artista plástica é o meio ambiente e o uso consciente dos recursos e, com maestria, faz belas composições, surpreendendo não só com o conceito da arte pop, mas também da cena contemporânea", conta a curadora da exposição Lu Valença.

Por Adriana Ninsk

Formada em canto clássico e popular pelo Conservatório de Música Fluminense, em Niterói/RJ e Teoria e Percepção Musical na UNIRIO, Adriana Ninsk também passou pela Escola de Arte do Parque Lage, oficinas em Amsterdam e hoje faz faculdade de Artes Visuais e formação em Arteterapia.  

“Quero espalhar alegria com minhas cores e com meu canto, porque na vida já tem muita coisa triste e injusta. A arte ajuda a viver com mais esperança e alegria, além de ser comprovadamente um poderoso meio de cura para inúmeros males”, diz a artista.

A mostra "Classicus" acontece até o dia 7 de novembro.

Por Adriana Ninsk