Festivais de cinema abrem as portas para o mundo digital e liberam filmes para assistir em casa

Quinta-feira 28 Maio 2020 / Comportamento

24 Frames Per Century (Foto: Reprodução / We Are One Global Film Festival)

Os principais festivais de cinema do mundo se reuniram e vão levar a sétima arte para milhares de lares ao redor do mundo. A partir desta sexta (29), o projeto We Are One: A Global Film Festival acontece em formato digital numa parceria entre o YouTube e a empresa cinematográfica de Robert De Niro. 

Os filmes que estarão em cartaz na plataforma fariam parte de 20 importantes festivais de cinema como Cannes, Sundance, Toronto, Berlim e Veneza. Porém, a programação é um grande mistério e só será revelada quando o evento digital começar.

Quem participar também poderá fazer doações para o combate da COVID-19 durante a exibição dos filmes. O valor arrecadado vai beneficiar a Organização Mundial da Saúde. 

A transmissão acontecerá através do link youtube.com/weareone.

Festival Varilux libera filmes franceses da edição 2020

O Poder de Diane (Foto: Reprodução / Festival Varilux de Cinema Francês)

Quem é fã do cinema francês também poderá se divertir com os títulos do Festival Varilux, de forma totalmente gratuita, até o dia 27 de agosto. O catálogo é diverso e reúne filmes históricos, comédias, dramas e seleções recentes.

O conteúdo já está disponível no site http://festivalvariluxemcasa.com.br/.

Por: REDAÇÃO DELOOX

Anderson Thives se diverte em websérie 'Cosplay de quê?' e conta detalhes do seu novo passatempo

Segunda-feira 25 Maio 2020 / Comportamento

Anderson Thives (Foto: Divulgação)

"Eu quero mesmo é brincar, neste momento em que a vida me deu essa chance". É com esse astral que o artista plástico Anderson Thives aproveita o tempo livre da quarentena e tira do papel um projeto que foi criado há dois anos: a websérie 'Cosplay de quê?', feita para o YouTube. Cosplay, termo proveniente do inglês e formado pela junção das palavras costume (fantasia) e roleplay (brincadeira ou interpretação), tem a ver com a reprodução de um personagem para entretenimento. 

Anderson Thives bateu um papo com a gente e contou como colocou em prática diversas habilidades que desconhecia, durante a produção de seu primeiro seriado.

Anderson Thives (Foto: Divulgação)

Deloox - Você estreou o quadro "Cosplay de quê?", que recria obras de pintores famosos em um formato mais descontraído. Como surgiu essa ideia?

Anderson Thives - Esse canal é um desejo muito antigo que eu tinha, onde pudesse falar de arte, entre outras coisas relacionadas, de um jeito descontraído, divertido e que não fosse pesado, porque tudo que a gente vê na internet, hoje em dia, está em forma didática, é cansativo, e muitas vezes as pessoas não têm paciência para assistir. 

Já estou com este projeto há dois anos, mas eu não sabia como fazer, precisaria de ajuda, mas a quarentena veio, de certa forma, para me ajudar - na contramão de tudo o que está acontecendo - a adiantar este projeto. Era algo para o final do ano, mas aconteceu de eu conseguir fazer tudo sozinho de casa. 

Eu tive que aprender a editar com a ajuda da internet, buscando vídeos no YouTube, baixando aplicativos, e isso dá um trabalho grande pois também preciso fazer uma pesquisa em relação ao artista que estou falando, fazer as gravações, editar, postar e divulgar.

A ideia de fazer o cosplay surgiu por acaso, brincando em casa, achando que poderia recriar algumas obras de arte. Aí eu pensei por que não fazer em vídeo, onde pudesse falar de arte e também ter esse entretenimento ao refazer a obra. Pesquisei muito para saber se já não existia nenhuma ideia parecida e então o “Cosplay de quê” virou o nome do canal. Graças a Deus, deu super certo e estou adorando fazer. 

Deloox - Como é feita a seleção dos convidados e escolha dos quadros a serem recriados?

Anderson Thives - Na verdade, não tem uma regra para a escolha dos convidados. A ideia principal era ter gente cool e bacana que fosse ligada à arte, então tem jornalista, gente da moda, cantor, mas o foco não é a pessoa ser super famosa. O convidado só precisa entrar na onda do canal, gravar videozinhos, tirar fotos legais e vestir a camisa.

Quanto à seleção das fotos, eu dou duas sugestões apenas, do mesmo pintor, para poder fazer o link, de acordo com a vibe da pessoa. Aí ela escolhe e refaz. Dessa forma, fica mais divertido e mais dinâmico. Assim foi feito com a Paloma Bernardes e vai acontecer com os próximos.

Reprodução Instagram

Deloox - Neste período de isolamento, como você consegue fazer a seleção dos acessórios/objetos que o artista vai utilizar para reproduzir as obras diretamente da casa deles? 

Anderson Thives - Funciona com os convidados da mesma forma que acontece comigo. Eu penso na obra e como eu faria para reproduzir. Se na obra tem um chapéu, seria muito incrível se eu tivesse um igual, mas, se eu não tenho, como poderia fazê-lo? 

No caso da obra do Salvador Dali, eu queria que o cabelo lembrasse muito o da obra, mas eu tenho uma regra: não usar peruca ou maquiagem, então teria que ser com objetos mais criativos. Como eu quis fazer na cozinha, foi uma super coincidência ter uma caixa de pizza e recortá-la no formato do cabelo do Dali. Então, a ideia é ser criativo e não só pegar um objeto que eu tenha e fazer.

Deloox - Após fazer os programas de pintores famosos como Pablo Picasso e Salvador Dali, você pode adiantar o que vem por aí?

Anderson Thives - Já gravei 25 cabeças de cosplay, mas posso adiantar que tem Frida Kahlo, Van Gogh, Leonardo da Vinci, Jacques-Louis David, Tarsila do Amaral, entre outros. É realmente uma pincelada bacana dos maiores pintores, inclusive de alguns que não são tão famosos que eu admiro muito e gostaria de mostrar para as pessoas. 

Estudando, estou voltando para a época de faculdade, em que houve aquele momento que precisei escolher entre bacharelado e licenciatura. Em licenciatura, eu precisaria dar aulas, algo que nunca curti. Mas, agora, voltei a estudar coisas que não lembrava, outras que estou descobrindo, e o maior aprendizado de toda essa quarentena, desse projeto, é retomar esses estudos e me sentir super bem em aprender “novas velhas coisas”. A mente fica mais disposta e estou achando incrível poder resgatar isso em mim e poder passar para as pessoas de forma mais bem humorada.

Reprodução Instagram

Deloox - Como você observa essa integração de arte x universo digital? É algo que você pretende levar para suas próximas exposições (físicas), após a quarentena?

Anderson Thives - A integração de arte x universo digital é o futuro e também o que já está acontecendo, só que não é a minha realidade. Esses vídeos, os cosplays, são uma coisa. Já a minha vida como artista plástico e colagista é outra história. 

Eu até cito uma releitura ou outra que fiz e acho legal mencionar, mas não tem a ver com nenhuma outra exposição que eu vá fazer. Isso é um adendo, um Anderson que está brincando de youtuber e sem pretensão nenhuma de levar isso pra vida ou ser famoso com isso. Eu quero mesmo é brincar, neste momento em que a vida me deu essa chance. Apesar de ser uma brincadeira séria, já que estudo e tenho um comprometimento com o que vou falar, tem fofocas por trás do mundo dos pintores, que acho super interessante contar, como qual movimento ele participou, falar das obras principais e um pouco da vida íntima deles, que é o motivo principal do programa. 

Dependendo, uma exposição com as fotos dos cosplays pode acontecer. Por quê não? Mas não tem a ver com o meu trabalho específico.

Deloox - Trabalhos em vídeo demandam elaboração de roteiro e edição. Você encontrou talentos seus que desconhecia antes da quarentena?

Anderson Thives - Eu realmente aprendi na raça, com uma vontade imensa de querer fazer. A cada episódio, invento algo novo e quero descobrir como se faz, logo descubro que é necessário utilizar outro aplicativo, já que não existe um que faça tudo. E aí, sim, descobri que não tenho muita paciência (risos), confesso. Mas aprendi e está rolando. Tive que descobrir um outro universo, mas não que seja um talento, foi algo para "me virar" mesmo. No futuro, se Deus quiser, preciso de um editor para me ajudar, porque é difícil e demanda muito tempo, mas também é prazeroso, não tenho do que reclamar.

Assista ao vídeo do programa:

Por: REDAÇÃO DELOOX

MAM Rio promove ação solidária através do Clube de Colecionadores

Terça-feira 12 Maio 2020 / Comportamento

MAM Rio, Denilson Baniwa, 'Metrô-Pamuri-Mahsã', 2019

O MAM Rio acaba de lançar o programa Clube de Colecionadores em ação solidária, a fim de apoiar duas importantes iniciativas de arte e cultura do Rio de Janeiro que atuam em ações sociais junto a artistas e comunidades, no momento da pandemia de Covid-19: Lanchonete (Pequena África – Gamboa, RJ) e Galpão Bela Maré (Maré, RJ).

A venda das obras da edição #6 do Clube de Colecionadores será revertida para as instituições acima citadas, que atuam em ações sociais unindo arte e cidadania. Neste momento, estão disponíveis para aquisição apenas os 50 conjuntos de múltiplos remanescentes.

Os conjuntos (R$ 6.800, cada) são compostos por cinco trabalhos produzidos, em 2019, por Anna Bella Geiger, Daniel Senise, Denilson Baniwa, Marcelo Cidade e Maxwell Alexandre. 

Em reconhecimento ao apoio a este projeto, o MAM Rio presenteará cada comprador com a adesão ao programa Amigos do MAM (Categoria Amigo Individual), para que os colecionadores possam usufruir dos benefícios que o programa oferece, pelos próximos doze meses. A ação solidária vigora até 30 de junho 2020. 

MAM Rio - Maxwell Alexandre, “Sem título”, série Reprovados, 2019

Clube dos Colecionadores

Criado em 2004, o Clube dos Colecionadores do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro nasceu com o objetivo de democratização e popularização da arte a partir do estímulo à formação de novas coleções. A cada edição, a Curadoria de Artes Visuais convida cinco artistas brasileiros, de diferentes gerações e regiões do país, a desenvolverem trabalhos em formato de múltiplo pensados exclusivamente para essa ocasião. O resultado é um conjunto que revela potentes possibilidades poéticas na nossa produção contemporânea.

MAM Rio, Anna Bella Geiger, “Burocracia – O Mundo”, 2019

Leia: Casa Roberto Marinho celebra dois anos com atividades digitais

Por: REDAÇÃO DELOOX

Projeto 'Juntos Somos Mais' reúne arquitetos e designers em ações solidárias

Quarta-feira 06 Maio 2020 / Comportamento

Juntos Somos Mais (Foto: Divulgação)

Para angariar fundos, alimentos e itens de higiene para pessoas em situação vulnerável, 3800 profissionais de arquitetura e decoração se uniram para provar que a solidariedade é fundamental neste período de pandemia e criaram o projeto Juntos Somos Mais.

O grupo estruturou diversas formas de arrecadações: doação de alimentos e itens de higiene, depósito em conta e um leilão de peças de mobiliário, arte e design (doadas pelos próprios arquitetos, lojas e ateliês), que terá toda a renda revertida para o projeto. Os objetos, assim como todas as informações necessárias para doações, colaboração e prestação de contas estão no perfil @juntossomosmais.arq, criado no Instagram especialmente para a ação.

“O que começou com pequena ação, logo que o isolamento social começou, com a gente indo pessoalmente ao mercado para fazer as compras, cresceu. É muita gente bacana envolvida. E é com muita satisfação que queremos perpetuar cada vez mais”, explica Carolina Freitas, arquiteta participante do projeto.

Até o momento, os leilões arrecadaram cerca de 40 mil reais nos lotes A e B. Os lotes C e D serão encerrados nos dias 9 e 16 de maio. E, no dia 17 do mesmo mês, a primeira etapa será encerrada com chave de ouro, com 60 peças especiais sendo leiloadas.

Juntos Somos Mais (Foto: Divulgação)

Os números são animadores e provam que a união e todo o esforço valem a pena. Só no Rio, em seis semanas foram arrecadados mais de 204 mil reais, 51,5 toneladas de alimentos e 4.140 kits de higiene/limpeza, ajudando aproximadamente 25 mil pessoas e diversas instituições. O total angariado foi destinado a moradores de Tribobó, Bangu, Morro da Providência, Morro da Formiga, Vidigal, Maré, Guapimirim, Canjiquinha, Senador Vasconcelos, Cruz Vermelha, São Carlos, Turano, Favela do Aço, Palmácia, Estácio, Rocinha, além instituições como Lar Frei Luiz, Gastromotiva, Projeto Uerê, ICAP, Lar de Felipe e a plataforma social Transforma Brasil.

A Transforma Brasil é uma plataforma nacional de mobilização e engajamento cívico, que conecta quem quer ajudar com quem precisa de ajuda e que, neste momento de crise, devido ao COVID-19, criou um fundo solidário que pretende angariar fundos para assistir 125 mil famílias (50 famílias de cada uma das 2.500 instituições assistidas pela plataforma), nos meses de abril e maio.

“A meta é ajudar 3.200 famílias no mês de maio, só no Rio de Janeiro. E, com o leilão, que rompe as fronteiras do Estado, nosso objetivo é contribuir com o fundo social que, com outros apoiadores, vai conseguir angariar 250 mil cestas básicas, que serão distribuídas nos mais diferentes pontos do país”, conta a arquiteta Paloma Yamagata. “É uma ação que, graças à solidariedade e empatia, está ajudando muita gente em um momento tão delicado”, completa.

 

Leia: Associação Brasileira de Bares e Restaurantes apoia campanha SOS-Restaurantes

Por: REDAÇÃO DELOOX

ARTIGO: Pandemia acelera transformação digital no setor imobiliário

Quinta-feira 30 Abril 2020 / Comportamento

POR LEONARDO PAZ, CEO da Imovelweb

Se antes a transformação digital era um plano para três ou cinco anos, a pandemia de coronavírus acelerou os processos de digitalização das imobiliárias e incorporadoras. Com o isolamento social, boa parte delas recorreu à tecnologia para driblar a crise e atenuar a queda de receita.

Embora o segmento tenha um perfil mais conservador, várias empresas tiveram que mudar o mindset para criar alternativas de comunicação com o cliente. Com a quarentena, as visitas aos empreendimentos foram reduzidas. Em alguns condomínios, elas chegaram a ser proibidas por um certo período.

Neste cenário, os corretores precisaram recorrer a algumas ferramentas para manter o interesse daqueles que buscam imóveis para compra ou aluguel. Se entre a primeira e a quarta semana de março houve uma queda de buscas em função do medo e das incertezas trazidas pela Covid-19, o que se observa é que em abril os números começaram a subir novamente. Segundo levantamento realizado pelo Imovelweb, o número de buscas por imóveis na primeira semana de abril é 19% maior em relação à quarta semana de março. Se compararmos a primeira semana de abril com a primeira de março, as visitas tiveram um incremento de 13%.

Para manter o ritmo de negócios no setor, a tecnologia assumiu um papel importante no relacionamento com o cliente. Muitas plataformas de videoconferência passaram a ser utilizadas em reuniões e visitas on-line aos empreendimentos. É tempo de aprender com as dificuldades, de entender que podemos aproveitar os recursos disponíveis e desmistificar a transformação digital, que, muito mais do que tecnologia, envolve a mudança de comportamento.

Hoje em dia, a realidade virtual e os vídeos 360° são maneiras incríveis de conhecer os espaços. Com essas ferramentas é possível avaliar o imóvel por diversos ângulos, como se realmente estivesse dentro dele. A crise gera novas oportunidades e mostra que as vendas também podem acontecer no ambiente virtual, desde que haja confiança e credibilidade entre as partes. Muitas negociações são feitas de maneira 100% digital, a partir da tríade tecnologia, transparência e boas informações.

Muitos corretores perceberam que o prejuízo poderia ser ainda maior se não investisse em soluções digitais para manter todas as fases que contemplam a locação ou venda de um imóvel: apresentação do espaço, agora de maneira virtual, retorno rápido pelo WhatsApp, flexibilidade para ouvir o cliente, controle e rastreamento de todo o processo.

Mesmo que alguns projetos sejam postergados em função da crise, acreditamos que existe um grande potencial para retomada dos investimentos nos próximos meses. Além de ser um investimento seguro – muitas pessoas estão migrando do mercado de ações para o imobiliário -, o cenário atual conta com quatro fatores que podem favorecer a compra de um imóvel: taxas de juros baixas, estabilização de preços, redução de estoques e novas soluções de crédito.

Sabemos que o momento exige cautela, mas podemos aproveitar a situação imposta pela pandemia para sermos mais criativos, utilizando a distância a nosso favor, com o aval da tecnologia. A tendência é que a digitalização, mesmo que tenha sido acelerada pela Covid-19, ganhe novos contornos com a implementação de assinaturas digitais, contratos inteligentes, Blockchain, Inteligência Artificial e Realidade Virtual.

A transformação no setor imobiliário abre novas possibilidades para geração de valor no relacionamento com o cliente. Se antes era um projeto futuro, a inovação assume um papel de destaque para liderar as mudanças que farão parte da “nova realidade” do segmento: mais interativa, dinâmica e digital.

*Leonardo Paz é CEO do Imovelweb. Conta com ampla experiência nas áreas de vendas e e-commerce, marketing, tecnologia e consultoria.

Por: REDAÇÃO DELOOX